Festival

Artistas de toda a Bahia estão convidados a participar da 1ª edição do Festival Balaiano, que selecionará apresentações de teatro, música e dança, mostras de fotografia, filmes e artesanato para compor a sua programação. Os trabalhos selecionados vão receber prêmios que variam de R$ 200 a R$ 500.

O festival será online, com transmissão no Youtube, em dois finais de semana consecutivos, 12, 13 e 14 de março e 19, 20 e 21 do mesmo mês.

As inscrições estão abertas e seguem até 10 16 de fevereiro, no site do projeto.

A programação vai contemplar a diversidade cultural dos macroterritórios da Bahia, propondo uma rede colaborativa entre os artistas. A equipe da curadoria, responsável pela seleção dos candidatos, será composta por representantes de diferentes segmentos artísticos da capital e do interior.

Os curadores vão selecionar 12 apresentações musicais, 12 performances, 6 exposições fotográficas e 6 curtas-metragens de produção baiana para integrar o evento. Dentre os critérios para seleção, serão priorizadas as produções realizadas por mulheres cis e/ou transgêneras, e temáticas que envolvam a promoção da equidade de gênero, igualdade racial e acessibilidade.

O Festival Balaiano nasceu a partir da inquietação de produtores culturais em busca de novas maneiras de fomentar a arte e estimular a formação de cadeias produtivas artísticas baianas. Segundo os coordenadores do projeto, André Oliveira, Edmilia Barros e Angela Marques, a proposta é evidenciar grupos criativos pouco conhecidos e engajá-los a interagir com artistas semelhantes, como forma de fortalecer e disseminar as produções por todas as regiões do estado. Cada dia do festival terá um dos macroterritórios em destaque e homenageará uma personalidade local que tem especial contribuição às artes e cultura baiana.

BANCO CULTURAL

Além da realização do festival, o projeto vai criar um banco cultural para integração de artistas baianos. A ideia é disponibilizar um espaço digital para cadastro de profissionais das mais diversas áreas artísticas, com objetivo de promover encontros, debates e o fomento da arte produzida no estado. “A produção artística e cultural da Bahia é muito rica e diversa. Nossa intenção é fortalecer o reconhecimento dessas manifestações e promover um elo entre capital e interior, tradicional e moderno, artesanal e tecnológico e som e imagem, através de uma rede que chegue nos quatro cantos do estado e ajude a preservar saberes e práticas criativas”, explicar a coordenadora de comunicação do projeto, Rafaela Bandeira.

A iniciativa tem tem apoio financeiro do Estado da Bahia, por meio da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia), via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.