WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia faculdade de ilheus embasa


maio 2019
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


:: ‘universidade’

RELATÓRIO INDICA A UESC COMO 9ª UNIVERSIDADE ESTADUAL BRASILEIRA COM MAIS ARTIGOS CIENTÍFICOS

Da Ascom/Uesc

Uesc

Neste 22 de abril, o campus Professor Soane Nazaré de Andrade, da Universidade Estadual de Santa Cruz, em Ilhéus/Bahia, completa 45 anos de sua criação e comemora a data com uma notícia que reflete a sua importância para o desenvolvimento científico brasileiro: a UESC está entre as nove universidades estaduais do Brasil  com mais artigos científicos publicados, situando-se também como a primeira entre a estaduais da região Nordeste do Brasil  e a 60ª no ranking das 100 universidades e instituto do Brasil com mais artigos científicos.

O número consta no relatório Research in Brazil, disponibilizado pela Clarivate Analytics à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O documento traz o desempenho da pesquisa brasileira em um contexto global entre os anos 2011 e 2016.

Os dados foram obtidos do InCites, plataforma baseada nos documentos (artigos, trabalhos de eventos, livros, patentes, sites e estruturas químicas, compostos e reações) indexados na base de dados multidisciplinar Web of Science – editada pela Clarivate Analytics (anteriormente produzida pela Thompson Reuters).

A reitora Adélia Pinheiro ressalta que “esse bom indicador da UESC é resultado de um conjunto de ações iniciadas com a qualificação e a competência dos professores/pesquisadores aliado ao programa de qualificação de docentes da Universidade que os apoia, do suporte à pesquisa e produção do conhecimento através dos investimentos em bolsas do programa de IC, de revisão e tradução de artigos, como também do pagamento pela instituição das taxas de publicação desses artigos.”

O relatório traz informações sobre as universidades líderes na área da pesquisa no país. Os critérios analisados foram: a quantidade de documentos produzidos, o impacto da citação, artigos no top 1% e 10% dos mais citados no mundo, colaboração com a indústria e organizações internacionais.

O número de citações que uma publicação de pesquisa recebe reflete o impacto que teve em pesquisas posteriores. As publicações científicas citam documentos anteriores para validar uma contribuição intelectual. Portanto, pode-se dizer que uma publicação (ou uma coleção de publicações) com uma contagem de citações mais elevada teve um impacto maior no campo de conhecimento ao qual se relacionou.

Só as públicas produzem no Brasil

O relatório demonstra que, praticamente, não há produção científica em instituições privadas no Brasil. Entre as 20 instituições que mais produziram papers e que mais tiveram impacto estão 15 universidades federais e 5 universidades estaduais.

A Universidade de São Paulo (USP), estadual, lidera a produção quantitativa, enquanto a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), também estadual, é a que a produção tem maior impacto.

O relatório mostra que as universidades públicas produzem artigos científicos altamente citados e que alcançaram boas taxas entre 1% dos papers mais citados do mundo.

NA BAHIA, UESC CONTINUA LIDERANDO NO ÍNDICE GERAL DE CURSOS

Da Ascom/Uesc

Uesc

A Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) mais uma vez é a melhor avaliada entre as públicas da Bahia no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado pelo Ministério da Educação nesta terça-feira (18). A UESC alcançou 4 pontos e, desta vez, igualando-se a UFBA, que sempre esteve a frente em avaliações anteriores.

O IGC, assim como os demais indicadores do Sinaes, classifica as instituições, cursos e estudantes universitários em uma escala de 1 a 5, sendo que a nota máxima é 5 e as notas 1 e 2 são consideradas “insuficientes”.

O índice é divulgado anualmente, mas é composto pela média de outros indicadores aplicados nos três anos anteriores. Comparando com o último ciclo trienal, aumentou o número de instituições com notas 4 e 5 e caiu o número delas que têm conceito 2 e 3. Dos 33 cursos de graduação da UESC, 24 deles – licenciaturas e bacharelados foram avaliados.

Os dados são referentes a 2017 e foram divulgados pelo Ministério da Educação e pelo Inep em coletiva de imprensa nesta terça-feira, 18 de dezembro, na sede do Instituto, em Brasília (DF). O MEC foi representado pelo secretário executivo, Henrique Sartori. Cabe ao Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Regulação do Educação Superior (Seres), usar os dados para regulamentação dos cursos e IES. Pelo Inep, participaram a presidente, Maria Inês Fini; a diretora de Avaliação da Educação Superior, Mariângela Abrão, e o coordenador geral de Controle de Qualidade da Educação Superior do Inep, Renato Augusto do Santos. O Diário Oficial da União (DOU) publicou os conceitos do CPC e IGC com os códigos dos cursos e das IES respectivamente. No Portal do Inep estão disponíveis as tabelas com os resultados dos dois conceitos.

RUI COSTA ANUNCIA CONCURSO PRA UESC E UEFS

Da Secom/Bahia

Foto: Camila Souza/GOVBA

O governador Rui Costa autorizou nesta terça-feira (9), durante o #PapoCorreria, a realização de concursos públicos para duas universidades estaduais. O programa foi transmitido ao vivo no Facebook (facebook.com/ruicostaoficial) e no perfil do governador no Twitter (twitter.com/costa_rui).

Os concursos somam 167 vagas em cargos de níveis médio e superior. Eles são destinados ao preenchimento de vagas decorrentes de aposentadorias e falecimentos de servidores no período de 2014 a 2017.

A Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) oferecerá 72 vagas, sendo 22 para analista universitário e 50 para técnico universitário. Outras 63 vagas são para docentes, sendo 33 para professor auxiliar e 30 para professor assistente, em regime de 40 horas.

Já a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) disponibilizará 32 vagas, sendo 8 para analista universitário e 24 para técnico universitário. Assista ao programa neste link: goo.gl/YQ7Lo6

A INTEGRAÇÃO DO SUL DA BAHIA PASSA PELA UNIDADE DE IDEIAS E PROJETOS

Por Alcides Kruschewsky Neto, ex-vereador e atual secretário de Comunicação Social de Ilhéus

A rivalidade entre Ilhéus e Itabuna já teve o seu apogeu e agora vive o seu declínio.

Há algo novo no cenário sul baiano. A recente eleição do prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, inaugurou um novo tempo nas relações entre prefeitos e governos das duas principais cidades da região. Fernando Gomes, mais uma vez prefeito de Itabuna, demonstra-se muito à vontade nos entendimentos que mantém com o prefeito de Ilhéus em torno de uma agenda comum para o Sul da Bahia.

A proximidade desses gestores simboliza uma unidade que tem tudo para sepultar a rivalidade infrutífera, num contexto que exige, cada vez mais, soluções que atendam ao conjunto dos municípios que integram a nossa região.

É com o olhar voltado para essa integração que os prefeitos de Ilhéus e Itabuna discutem a perspectiva da região metropolitana do Sul da Bahia. O pólo Itabuna-Ilhéus centralizará um projeto que atenda ao eixo regional, enquanto outras incumbências podem ser distribuídas entre os demais municípios, que também devem se consorciar em busca de soluções comuns. “Os projetos aqui implantados devem irradiar benefícios para os demais municípios da região”, afirma Mário Alexandre, prefeito de Ilhéus, quando se refere ao Hospital da Costa do Cacau e à obra de duplicação da BR 415.

Neste 9 de outubro, em Itabuna, a população e lideranças regionais compareceram ao ato de assinatura do contrato para a execução da duplicação da rodovia BR 415 – Nova Rodovia Jorge Amado, mais uma obra de infraestrutura que concorrerá para a aproximação entre essas importantes cidades, uma em direção à outra. Transitar na Rodovia Jorge Amado nos permite testemunhar que o abraço das cidades é uma inevitável vocação, como se a confirmar que quem “nasce” junto permanece enlaçado, e que há muito mais razões para nos unirmos do que as irrelevâncias que nos separam.

Nos últimos 10 anos, essa tendência se acelerou com a implantação de investimentos expressivos à margem da referida rodovia, que o próprio governador Rui Costa reconhece não mais como estrada, mas como uma Avenida, a “artéria aorta” que nos liga. Desde a chegada do Makro, Atacadão e Cidadelle, outros empreendimentos públicos e privados também se somaram na importante via onde estão instalados o IFBA, a Uesc e a pioneira Ceplac. O novo Sesc/Senai e o Hospital da Costa do Cacau apontam no mesmo sentido e uma percepção de crescimento mais ordenado começa a se evidenciar a partir dos conjuntos habitacionais Minha Casa, Minha Vida, em Ilhéus, com milhares de unidades já construídas ou prestes a serem entregues. São muitos milhões de reais que aos poucos vão transformando o cenário da via mais importante da região cacaueira.

Com boa vontade e um olhar bem abrangente, veremos a nova Universidade Federal do Sul da Bahia também inserida no processo de integração. Assim, a Rodovia Jorge Amado começa a ganhar alguns subtítulos, como a “Estrada do Conhecimento”, referência que já vem sendo utilizada com frequência cada vez maior. A urbanização do trecho do Banco da Vitória com o Projeto Vila Gastronômica está entrando em fase de licitação pela Secretaria do Turismo do Estado. O projeto representa um avanço, pois qualifica o ainda precário urbanismo das margens dessa via.

Os prefeitos Mário Alexandre e Fernando Gomes comemoram os investimentos e vibram com as conquistas das cidades irmãs. Ora é Mário que destaca a importância da construção da barragem do Rio Colônia que abastecerá Itabuna e outras cidades; ora é Fernando que se refere ao espetacular Hospital da Costa do Cacau como um grande marco para toda a região.

Por detrás dessa boa relação estão questões de suma importância para a região: do aeroporto à Ferrovia Oeste-Leste – FIOL – e Porto Sul; uma solução mais duradoura para a questão do lixo, através de um consórcio intermunicipal para processamento dos resíduos sólidos; um consórcio regional de saúde, seguindo a batuta do governo estadual, e o enfrentamento das questões ambientais com foco na recuperação das bacias hidrográficas regionais, como as do Rio Cachoeira e a do Rio Almada, além de um sistema de transporte coletivo moderno e eficiente, sem o que o próprio projeto de integração de uma região metropolitana ficaria comprometido.

Logo, a duplicação da rodovia representa a ampliação dos motivos que sempre uniram as duas cidades e cujos benefícios irradiarão por toda a região. O processo de conurbação entre Ilhéus e Itabuna é claro e irreversível. As cidades se complementam com suas indissociáveis vocações: uma mais voltada para o comércio e a outra para o turismo e a indústria.

Nesse cenário, portanto, a fluente relação entre os atuais governantes das duas cidades líderes referenda a necessidade de deixar a rivalidade no passado, para que os assuntos que realmente importam à sociedade regional se tornem prioridade. Mais do que um símbolo, os efusivos abraços trocados entre os dois prefeitos vão além da alegria e da cordialidade que marcam seus encontros e efetivam uma prática cooperativa que deve prevalecer entre os municípios do Sul da Bahia.

A rivalidade entre Ilhéus e Itabuna já teve o seu apogeu e agora vive o seu declínio.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia