WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
bahiagas policlinica itabuna secom bahia teatro itabuna


novembro 2019
D S T Q Q S S
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


:: ‘embasa’

ITABUNA, ILHÉUS E OUTROS 25 MUNICÍPIOS DO SUL DA BAHIA TÊM ÁGUA CONTAMINADA

Do Pimenta

Agrotóxicos.

Um coquetel que mistura diferentes agrotóxicos foi encontrado na água de 1 em cada 4 cidades do Brasil entre 2014 e 2017, segundo estudo realizado em conjunto pela ONG Repórter Brasil, Agência Pública e organização suíça Public Eye. Nesse período, as empresas de abastecimento de 1.396 municípios detectaram todos os 27 pesticidas que são obrigados por lei a testar.

Desses, 16 são classificados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como extremamente ou altamente tóxicos e 11 estão associados ao desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas. De acordo com o estudo, entre as cidades com água contaminada com agrotóxico estão Almadina, Arataca, Aurelino Leal, Camacan, Canavieiras, Coaraci, Dário Meira e Floresta Azul.

O estudo aponta ainda contaminação em fontes que abastecem Gandu, Gongogi, Ibirapitanga, Ilhéus, Itabuna, Itacaré, Itagibá, Itaju do Colônia, Itapé, Itapitanga, Ipiaú, Mascote, Pau Brasil, Santa Luzia, São José da Vitória, Ubaitaba, Ubatã, Una e Uruçuca.

No extremo-sul do estado, estão na lista as cidades de Alcobaça, Belmonte, Eunápolis, Medeiros Neto, Mucuri, Nova Viçosa, Itabela, Itagimirim, Itamaraju, Itapebi,  Porto Seguro, Teixeira de Freitas, Prado. Na Bahia, são 271 cidades com problemas, segundo o estudo.

ORIGEM DOS DADOS

Os dados são do Ministério da Saúde e foram obtidos e tratados em investigação conjunta da Repórter Brasil, Agência Pública e a organização suíça Public Eye. As informações são parte do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), que reúne os resultados de testes feitos pelas empresas de abastecimento.

Os números revelam que a contaminação da água está aumentando a passos largos e constantes. Em 2014, 75% dos testes detectaram agrotóxicos. Subiu para 84% em 2015 e foi para 88% em 2016, chegando a 92% em 2017. Nesse ritmo, em alguns anos, pode ficar difícil encontrar água sem agrotóxico nas torneiras do país.

Embora se trate de informação pública, os testes não são divulgados de forma compreensível para a população, deixando os brasileiros no escuro sobre os riscos que correm ao beber um copo d’água. Em um esforço conjunto, a Repórter Brasil, a Agência Pública e a organização suíça Public Eye fizeram um mapa interativo com os agrotóxicos encontrados em cada cidade. O mapa revela ainda quais estão acima do limite de segurança de acordo com a lei do Brasil e pela regulação europeia, onde fica a Public Eye.

PERIGO DE CÂNCER

Entre os agrotóxicos encontrados em mais de 80% dos testes, há cinco classificados como “prováveis cancerígenos” pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos e seis apontados pela União Europeia como causadores de disfunções endócrinas, o que gera diversos problemas à saúde, como a puberdade precoce.

Do total de 27 pesticidas na água dos brasileiros, 21 estão proibidos na União Europeia devido aos riscos que oferecem à saúde e ao meio ambiente. A falta de monitoramento também é um problema grave. Dos 5.570 municípios brasileiros, 2.931 não realizaram testes na sua água entre 2014 e 2017.

EMBASA INICIA OBRA NO CALÇADA MARQUÊS DE PARANAGUÁ

Da Ascom/Embasa

Calçadão.

A Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) inicia neste mês de novembro as obras de manutenção da rede de esgotamento sanitário nas ruas Marquês de Paranaguá e Eustáquio Bastos, no centro de Ilhéus. Os trabalhos envolvem a substituição de tubulações antigas e revisão das ligações de 100 imóveis ao longo das duas ruas. No total, a manutenção abrange cerca de 550 metros da rede coletora de esgoto.

O gerente do Escritório Local (EL) da Embasa em Ilhéus, José Lavigne, observa que a obra vai melhorar a coleta de esgoto na área, prevenindo obstruções e tornando mais difícil a ocorrência de extravasamentos dos Poços de Visita (PVs). Outra característica da obra é que a intervenção será realizada em pequenos trechos, de cada vez, e com a recomposição imediata da pavimentação.

A medida visa minimizar os transtornos à população, pois se trata de uma zona de comércio. Além da sinalização da obra feita pela Embasa, equipes da Secretaria de Trânsito da prefeitura vão ajudar na orientação do tráfego de veículos e na interdição de algum trecho ou desvio quando necessário. A previsão é que as obras sejam concluídas até o final de dezembro.

EMBASA: GREVE ATRASA OBRA DE ESGOTAMENTO DA ZONA SUL DE ILHÉUS

Do Agravo

Obra parada.

Em contato com o blog Agravo, alguns moradores reclamaram da paralisação de uma obra da Embasa no Condomínio Praia Dourada, como pode ser visto aqui.

A embasa enviou uma nota para o Agravo em resposta à matéria, que você pode ver na íntegra abaixo:

Em atenção ao post intitulado “Ilhéus: Moradores do Condomínio Praia Dourada reclamam de obra parada da Embasa”, veiculado hoje (16), a empresa informa que o andamento das obras de implantação do novo Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) Pontal foi impactado pela greve deflagrada pelo Sintepav – Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada e Montagem Industrial do Estado da Bahia. Para evitar a proliferação de vetores no local informado, a equipe de apoio foi acionada para realizar serviço de drenagem.

Moradores do eixo de intervenção da obra podem registrar demandas de atendimento utilizando o telefone local da empreiteira responsável, disponível para atendimento em horário comercial: (73) 3223-6707. Por conta da greve, as obras estão paralisadas desde o dia 06 de abril. Um pequeno contingente de trabalhadores permanece em atividade.

ESTRUTURA PRECÁRIA CAUSA LAMAÇAL EM RUA DO VILELA, EXPLICA EMBASA

Nota de Esclarecimento da Embasa

A situação da rua.

Em atenção ao post intitulado “Moradores da Rua Belo Horizonte, no Vilela, pedem socorro” (leia aqui), veiculado ontem (11), a Embasa informa que o serviço de esgotamento sanitário no local está funcionando regularmente. Em épocas chuvosas, por conta da falta de estrutura adequada de drenagem de água pluviais no logradouro, parte dessa água é direcionada para a rede coletora de esgoto. O volume recebido é superior ao dimensionado para as tubulações, que só deveriam receber as águas servidas dos imóveis. Assim, acontecem as situações de extravasamento.

Vale lembrar que além de águas de chuva, a rede de esgoto recebe resíduos sólidos e areia, entre outros materiais, o que acaba comprometendo o funcionamento da rede mesmo após a melhora do tempo.

A Embasa solicita que os usuários não abram as tampas dos poços de visita para escoar águas de chuva, o que contraria dispositivos legais em vigor (Decreto Estadual 7.765/2000; Resolução nº 22, de 17 de Julho de 2017 – AGERSA) e lembra que a implantação e a manutenção das redes de drenagem de águas pluviais competem à prefeitura.

EMBASA FAZ SERVIÇO DA PREFEITURA E TIRA ESGOTO DE DENTRO DE ESCOLA

Esgoto dentro de escola

Nota da Embasa:

Em atenção à matéria intitulada “Crianças convivem com esgoto dentro de escola de Ilhéus” (veja aqui), veiculada ontem (01), a Embasa informa que, embora não seja legalmente responsável por dar resolutividade aos problemas que ocorrem nas instalações sanitárias internas dos imóveis, realizou, de forma voluntária, serviço de desobstrução na Escola Municipal Heitor Dias. Esse serviço foi concluído na tarde de ontem.

A Embasa lembra que, de acordo com o Decreto Estadual 7.765/00, que dispõe sobre a ligação de efluentes à rede pública de esgotamento sanitário, são de responsabilidade da concessionária a operação e a manutenção da rede coletora, do ramal predial e da caixa de inspeção localizada no passeio.

EMBASA PROMETE RESOLVER ESGOTO ESTOURADO NO MALHADO

Esgoto a céu aberto.

Relatamos aqui, na segunda, dia 19), o problema de esgoto estourado na rua Uruguaiana, bairro do Malhado, zona norte de Ilhéus (veja aqui). O problema persiste há mais de 15 dias. Nesta quarta, dia 21, a Embasa se pronunciou sobre o problema. Confira abaixo a nota enviada pela estatal:

Em atenção à matéria intitulada “Esgoto estourado preocupa moradores do Malhado”, veiculada nesta segunda-feira (19), a Embasa informa que, para resolver a situação, será necessária a substituição de trecho da rede coletora de esgoto, além de uma desobstrução de rede, já programada. Diferentemente do informado, o registro do problema aconteceu nos canais de atendimento da Embasa dia 15 de fevereiro. A previsão é de que até o final desta semana, todas as intervenções necessárias para que o serviço volte à normalidade tenham sido executadas.

ILHÉUS: DISTRITO DE CASTELO NOVO HÁ 1 MÊS SEM ÁGUA

Do Ilhéus 24h

Torneiras vazias

Nesta quarta-feira (17), vários moradores do distrito Castelo Novo, zona Norte de Ilhéus, entraram em contato com a redação do Ilhéus24h para informar que a comunidade está sem abastecimento de água há mais de 1 mês.

“Nós não precisamos ser humilhados”, desabafa morador angustiado com a grave situação e cansado de tantas promessas em período de campanha política.

Segundo relatos, a falta de água é causada por um curto na chave magnética da bomba de água. Castelo Novo pede socorro!

DESABAMENTO DEIXA PARTE DA ZONA NORTE SEM ÁGUA

Do Tabuleiro

Desabamento

A EMBASA (Empresa Baiana de Águas e Saneamento) enviou nota a redação de O Tabuleiro, após reclamação de falta de água no Basílio feita por Edinei Portugal, Presidente da Associação de Moradores do Basilío na Ilhéus FM ao comunicador Vila Nova.

De acordo com a nota, a embasa suspendeu o abastecimento porque a rede distribuidora do bairro passava próximo à encosta da rua Fundão Palmares que desabou na tarde de ontem (15), podendo comprometer ainda mais o terreno. Com a suspensão outras localidades podem ter sido afetadas como o São Francisco, Parte alta do Teotônio Vilela, Morada do Porto, Banco da Vitória, Vila Cchoeira, Frey Vantuy, Salobrinho e UESC.

O abastecimento deve ser normalizado dentro de 24 horas. Confira à nota na íntegra: Em atenção à informação sobre falta de água no Basílio, veiculada hoje (16), a Embasa informa que adiou o início da operação na rede distribuidora que atende ao bairro justamente por conta da queda de parte da encosta na Rua Fundão Palmares.

A rede em carga poderia comprometer ainda mais a estrutura do local, já que fica situada próxima ao ponto de desmoronamento. Após uma verificação técnica, o abastecimento já foi retomado, devendo ser regularizado nas próximas 24 horas. Além do Basílio, podem ter sido afetadas as localidades do São Francisco, parte alta do Teotônio Vilela, Morada do Porto, Banco da Vitória, Vila Cachoeira, Frei Vantuy, Salobrinho e UESC.

EMBASA DEIXA RUA DO NELSON EMBAIXO D’ÁGUA

Do FRN

Virou um rio

Moradores da Rua Rosa Amélia, no bairro Nelson Costa, zona sul de Ilhéus, estão indignados com o tratamento que tem recebido por parte da Embasa. Eles disseram que a situação piorou nos últimos dias por conta das fortes chuvas que atingiram a localidade. Com o esgoto entupido, parte da rua ficou alagada, comprometendo o acesso dos moradores e exalando forte odor.

Ainda segundo a comunidade ouvida pela reportagem do FR Notícias, a última vez que a Embasa esteve na rua realizou uma pequena manutenção e nunca mais voltou, onde, segundo os moradores, a situação piorou e passou a colocar em risco à saúde da população. Em Ilhéus, os usuários pagam uma taxa absurda de esgoto para conviverem em condições sub-humanas.

EMBASA CASTIGA MORADORES DO VILELA 

Há uma semana a Embasa castiga boa parte dos moradores do bairro Teotônio Vilela, um dos maiores de Ilhéus. O fornecimento de água está irregular há sete dias.

Só tem água nas torneiras nas primeiras horas do dia. Moradores entraram em contato pra denunciar que precisam acordar 4h da manhã pra conseguir encher baldes, já que no restante do dia a torneira fica seca.

O problema é localizado, o que gera ainda mais revolta nos moradores do Vilela, já que em outros bairros o fornecimento está normal.

  1. Com a palavra, a Embasa.


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia