WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom ponte ilheus secom bahia solidaria embasa policlinica itabuna secom bahia


julho 2020
D S T Q Q S S
« jun    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


:: ‘chocolate’

FÁBRICA-ESCOLA DE CHOCOLATE EM ILHÉUS RECEBE VISITA DE EMPRESÁRIO E DONO DA CACAU SHOW

Da Secom/Bahia

Visita

A Fábrica-Escola do Chocolate do Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) Nelson Schaun, em Ilhéus, Sul da Bahia, recebeu a visita de um dos maiores empreendedores brasileiros no mercado de produção de chocolates finos, Alexandre Tadeu da Costa, fundador da Cacau Show. O empresário visitou as instalações da Fábrica-Escola, que funciona como laboratório para a formação e certificação dos estudantes que fazem cursos técnicos de nível médio, além de funcionar como incubadora, contribuindo para a aceleração de empreendimentos e para o fomento criativo no Território.

Alexandre Costa estava acompanhado do superintendente da Educação Profissional e Tecnológica do Estado, Durval Libânio, e falou sobre a ideia inovadora do Estado ao oportunizar, por meio do equipamento, a Educação Empreendedora da juventude. “Fiquei encantado em conhecer a Fábrica-Escola. Investir na educação dos jovens e, sobretudo, criar oportunidades a eles têm tudo a ver com a história da Cacau Show”, contou Alexandre.

O empresário, que começou a carreira vendendo trufas e bombons em um fusca 78, em São Paulo e conta com uma das maiores redes de chocolate do país, tem uma vinculação com a Educação, por meio do Instituto Cacau Show, fundado em dezembro de 2009, em Itapevi, em São Paulo. Atualmente, o instituto assiste a mais de 1.500 pessoas entre crianças, adolescentes e idosos com aulas de reforço escolar, esporte e informática. Ele destacou a importância de uma política pública que integra escola, comunidade e cadeia produtiva do cacau na região Sul da Bahia. “A Fábrica-Escola irá gerar muitos frutos e um grande legado para a história do cacau e da indústria chocolateira no país”, acredita.

A Fábrica Escola do Chocolate do CEEP Nelson Schaun foi inaugurada em julho deste ano. O equipamento valoriza e fomenta a vocação de Ilhéus e região na produção de chocolate, fortalecendo e incentivando toda a cadeia produtiva. A instalação, com capacidade para produção de 800 kg/mês de chocolate e de 2 toneladas/mês de nibs de cacau, investirá na formação de aproximadamente 2 mil alunos por ano. Além da Fábrica-Escola do Chocolate de Ilhéus, a Secretaria da Educação do Estado também já inaugurou as Fábricas-Escolas do Chocolate, em Gandu, e em Arataca, além da Fábrica-Escola do Couro, em Ipirá, e a Fábrica-Escola da Construção Civil, em Salvador.

ESTADO INAUGURA FÁBRICA-ESCOLA DE CHOCOLATE EM ILHÉUS

Da Secom/Bahia

Inaugurada.

A Secretaria da Educação do Estado entregou, nesta terça-feira (17), a Fábrica-Escola do Chocolate Deize Silva Santana, no Centro Estadual de Educação Profissional (CEEP) Nelson Schaun, em Ilhéus. A Fábrica servirá como laboratório para que os estudantes que fazem os cursos técnicos de nível médio tenham aulas práticas e possam desenvolver projetos, pesquisas e intervenções sociais, aperfeiçoando a formação profissional.

Na oportunidade também foi lançado, no CEEP Nelson Schaun, o Escritório Criativo Territorial, que somado à Fábrica-Escola do Chocolate servirá de campo de estágio para os estudantes e disponibilizará serviços de consultoria e assessoria no Território, voltadas, por exemplo, para a proteção à inovações, criações, marcas e patentes de estudantes, professores e comunidades.

O secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro, falou sobre o papel pedagógico da Fábrica-Escola. “Já foram implantadas as Fábrica-Escola do Chocolate, em Gandu, e a Fábrica-Escola do Couro, em Ipirá, sempre com a proposta de dinamizar as práticas pedagógicas, oferecendo o campo de estágio e ampliando a formação dos estudantes, a partir da educação empreendedora contextualizada com o território”, disse.

UESC – Durante a passagem por Ilhéus, o secretário Walter Pinheiro, visitou o Centro de Inovação do Cacau, localizado na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e lembrou da sua atuação parlamentar, quando direcionou emendas para o projeto. “Acredito que as pesquisas aqui contribuam para o desenvolvimento e o crescimento econômico da região. Além disso, o Centro de Inovação tem uma parceria com a Fábrica-Escola do Chocolate, pois foi responsável pela capacitação dos professores e futuramente pode ser um local de atuação profissional para os estudantes”, destacou.

10ª EDIÇÃO DO FESTIVAL DO CHOCOLATE JÁ TEM DATA

Festival bate recordes a cada ano.

Com alto teor de cacau selecionado de fazendas do Sul da Bahia, o chocolate de origem é celebrado no maior evento do segmento no Brasil. Entre 18 e 22 de julho será realizado, em Ilhéus, o CHOCOLAT BAHIA, décima edição do Festival Internacional do Chocolate e Cacau. Voltado para consumidores e profissionais da área, o Chocolat atrai anualmente milhares de visitantes, marcando o calendário turístico da cidade e firmando o Sul da Bahia como principal região produtora de chocolate de origem do Brasil. Durante cinco dias, o Festival reunirá mais de 30 marcas de chocolate e cerca de 80 expositores no pavilhão de feiras Centro de Convenções de Ilhéus, além de promover cursos de capacitação, debates sobre temas do setor, rodadas de negócios e palestras ministradas por especialistas internacionais.

A programação do Chocolat Bahia inclui workshops de receitas à base de chocolate com renomados chefs do país, atraindo mais de 60 mil visitantes e gerando mais de 2 mil empregos diretos e indiretos. Visitas a fazendas produtoras de cacau, exposição de esculturas de chocolate e uma vasta programação cultural também integram o Chocolat Bahia.

Para Marco Lessa, idealizador do projeto e organizador do evento, o Festival é também uma forma de promover Ilhéus como polo chocolateiro e difundir a cadeia produtiva do cacau. “Temos o maior evento profissional dessa área reunindo consumidores, especialistas e produtores, uma oportunidade para discutir a industrialização, a verticalização da produção e, consequentemente, a melhoria da qualidade das amêndoas de cacau selecionado e produto final elaborado”, afirma.

Com o objetivo de promover a visibilidade do chocolate de origem e fomentar os negócios da cacauicultura no país, o CHOCOLAT BAHIA – 10º Festival Internacional do Chocolate e Cacau que conta com a participação do Costa do Cacau Convention Bureau e Associação de Turismo de Ilhéus em parceria com o Governo do Estado da Bahia através das secretarias da Cultura, do Turismo, do Desenvolvimento Rural, de Agricultura, de Ciências Tecnologia e Informação, Prefeitura Municipal de Ilhéus, Banco do Nordeste, Sebrae, Caixa Econômica Federal, Ceplac, entre outras instituições, e conta com a realização da MVU Eventos.

EMPRESÁRIO DE ILHÉUS NO TOP 100 DO AGRONEGÓCIO

Do Correio 24horas

Marco Lessa

O empresário e publicitário baiano Marco Lessa foi eleito, pela segunda vez, uma das 100 personalidades mais influentes do agronegócio no Brasil, conforme ranking publicado pela Istoé Dinheiro Rural.

O guanambiense, que adotou Ilhéus, a terra do cacau, no sul da Bahia, é sócio da ChOr – Chocolates de Origem e do Grupo M21 de Comunicação e é o idealizador do Chocolat Bahia – Festival Internacional de Chocolate e Cacau, realizado há 9 anos em Ilhéus e que ainda conta com edições no Pará. É também, há 9 anos, o coordenador da missão brasileira ao Salon du Chocolat de Paris.

“Recebo, mais uma vez, emocionado, essa grata notícia. É um reconhecimento coletivo, pois é fruto do trabalho e empenho de muita gente da maior qualidade profissional e humana. Divido, honrado, com todos os que sonham com um Brasil líder com o melhor cacau e o mais puro Chocolate de Origem”, nos disse Lessa.

UESC SELECIONA VOLUNTÁRIOS PARA DEGUSTAR CHOCOLATE

Do Tabuleiro

O Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia (PCTS), empresa incubada na Broto na UESC, está recrutando voluntários consumidores de chocolate para participarem de um projeto de pesquisa de mercado cujo título é “Estudo de aceitação das características sensoriais dos chocolates com alto teor de cacau produzidos na região Sul da Bahia”.

Para participar desta pesquisa, os voluntários terão de se enquadrar nos critérios de inclusão na qual será verificado através do questionário de recrutamento e ter disponibilidade de 30 minutos por sessão de degustação a ser combinado com o Centro de Inovação do Cacau (CIC), localizado no prédio do IPAF, da UESC.

O objetivo do estudo é para entendimento das característica dos chocolates regionais e para melhoria da qualidade deste produtos.

Os contatos para agendamento de entrevista são:

(73)3680-5663 e-mail

samuel_saito@pctsb.org

CIC@pctsb.org

CACAU DE ILHÉUS A CAMINHO DE OBTER O SELO DE INDICAÇÃO GEOGRÁFICA 

Do Tabuleiro 

Assim como o chocolate da Suíça e o champanhe da França, a Bahia busca ser reconhecida pela originalidade de produção de três itens: o café em grão do Oeste, as amêndoas de cacau do Sul, que estão avançados no processo, e o charuto do Recôncavo, que iniciou o pedido no ano passado.

Associações de produtores se reuniram para reivindicar o registro de Indicação Geográfica (IG), concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) a cidades ou regiões que ganham fama por qualidade e tradições de produtos específicos.

A Bahia já possui o reconhecimento para as uvas de mesa e manga do Vale do Submédio São Francisco e para a cachaça de Abaíra, que conquistaram o título em 2009 e 2014, respectivamente.

Nesta quarta-feira (13), foi lançada a nova versão do Mapa das Indicações Geográficas do Brasil, produzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com o INPI. Ao todo, 53 produtos brasileiros são reconhecidos com a indicação geográfica. A conquista das IGs podem alavancar as vendas de determinado local, ao posicionar o produto como único. É o caso das cachaças de Abaíra, que aumentaram suas vendas em cerca de 60% após o título de exclusividade.

O café em grãos do Oeste, presente principalmente em Barreiras, Luís Eduardo Magalhães, São Desidério e Cocos, que movimenta R$ 192 milhões anualmente com a venda de 24 milhões de quilos de café, é um exemplo de produto que possui características de solo, clima, culturais e históricas únicas e que, por isso, tenta ganhar o reconhecimento com a Indicação Geográfica por Indicação de Procedência, que reconhece o local que produz determinado produto.

O diretor explica que não ter chuvas no período de colheita do café, que é realizado anualmente, e ter 100% de mecanização na produção faz com que a qualidade dos cafés da região do Oeste seja melhor. Maia ainda explica que a busca pela IG fez com que os 27 cafeicultores da associação se reunissem e debatessem melhores aspectos para o produto, buscando ter 100% do processo igual. A associação espera alavancar as vendas com o reconhecimento, mas não tem estimativa do impacto financeiro.

“Nós temos um café de alta tecnologia. Nenhum lugar do mundo produz o que temos aqui. Nós ainda temos o compromisso com a questão ambiental, de preservar os rios e produzir na área plana, o que é outro diferencial nosso. Essa busca faz com que os envolvidos na produção tenham uma maior organização e que a qualidade melhore”, explicou.

AMÊNDOAS DE CACAU DO SUL DA BAHIA

Além do café, a Associação dos Produtores de Cacau do Sul da Bahia busca o reconhecimento para as amêndoas de cacau da região, presente em 83 municípios em uma área de aproximadamente 61.460 km², principalmente em Ilhéus, Itabuna, Camacan e Belmonte. Os dois pedidos já estão avançados no INPI.

Um dos fundadores do projeto e dono dos chocolates Maltez, José Maltez explica que os produtores de cacau buscam destacar o produto.

Maltez explica que não há uma estimativa específica de ganho, mas que os produtores têm conhecimento que o selo de qualidade destaca o produto. “Quando se recebe o selo, quer dizer que o produto tem uma qualidade superior. E é esse o reconhecimento que nós queremos ter”, disse.

LULA E O CHOCOLATE DE ILHÉUS

Pelegrino, Lula e o chocolate de Ilhéus

Em suas andanças pela Bahia, iniciadas na última quinta-feira, dia 17, o ex-presidente Lula foi presenteado com chocolates de origem, da marca Sagarana, que planta suas amêndoas- algumas delas já premiadad, e processa suas barras em Ilhéus.

O mimo partiu do deputado federal e ex-secretário de Turismo do Estado, Nelson Pelegrino, que acompanhou a agenda do ex-presidente no Estado.

Lula percorreu cidades como Salvador, Cruz das Almas (onde ganhou título de doutor pela Universidade Federal do Recôncavo) e Feira de Santana.

MAIOR EVENTO DE CHOCOLATE DO BRASIL CHEGA À NONA EDIÇÃO EM ILHÉUS 

Cacau de qualidade

Com alto teor de cacau selecionado de fazendas do Sul da Bahia, o chocolate de origem é celebrado no maior evento do segmento no Brasil. Entre 20 e 23 de julho será realizado, em Ilhéus, o CHOCOLAT BAHIA, nona edição do Festival Internacional do Chocolate e Cacau. 

Voltado para consumidores e profissionais da área, o Chocolat atrai anualmente milhares de visitantes, marcando o calendário turístico da cidade e firmando o Sul da Bahia como principal região produtora de chocolate de origem do Brasil. Durante quatro dias, o Festival reunirá mais de 30 marcas de chocolate e cerca de 80 expositores no pavilhão de feiras Centro de Convenções de Ilhéus, além de promover cursos de capacitação, debates sobre temas do setor, rodadas de negócios e palestras ministradas por especialistas internacionais. 

A programação do Chocolat Bahia inclui workshops gratuitos de receitas à base de chocolate com renomados chefs do país. Um deles é Lucas Corazza, aclamado confeiteiro e jurado do reality show Que Seja Doce, do canal GNT. Visitas a fazendas produtoras de cacau, exposição de esculturas de chocolate e uma vasta programação cultural também integram o Chocolat Bahia.

Para Marco Lessa, idealizador do projeto e organizador do evento, o Festival é também uma forma de promover Ilhéus como polo chocolateiro e difundir a cadeia produtiva do cacau. “Temos, durante quatro dias, o maior evento profissional dessa área reunindo consumidores, especialistas e produtores, uma oportunidade para discutir a industrialização, a verticalização da produção e, consequentemente, a melhoria da qualidade das amêndoas de cacau selecionado e produto final elaborado”, pontua.

Com o objetivo de promover a visibilidade do chocolate de origem e fomentar os negócios da cacauicultura no país, o CHOCOLAT BAHIA – 9º Festival Internacional do Chocolate e Cacau é uma iniciativa do Costa do Cacau Convention Bureau e Associação de Turismo de Ilhéus em parceria com o Governo do Estado da Bahia através das secretarias da Cultura, do Turismo, do Desenvolvimento Rural, de Agricultura, de Ciências Tecnologia e Informação, Prefeitura Municipal de Ilhéus, Banco do Nordeste, Sebrae, Caixa Econômica Federal, entre outras instituições e conta com a realização da MVU Eventos.

Serviço

CHOCOLAT BAHIA – 9° Festival Internacional do Chocolate e Cacau

Quando: 20 a 23 de julho

Onde: Centro de Convenções de Ilhéus-Bahia

Entrada gratuita

Mais informações: www.festivaldochocolate.com



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia