WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia secom bahia camara ilheus camara ilheus bahiagas secom bahia sdr bahia secom bahia secom bahia secom embasa secom bahia


dezembro 2021
D S T Q Q S S
« nov    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  


:: ‘Política’

ILHÉUS DEVE DESCULPAS AOS ESTUDANTES DE PIAÇAVEIRA

Uma quase escola é o espelho de uma sociedade quase civilizada. Imagem: Reprodução Fantástico/Globo.

Editorial do Ilhéus em Resumo

A realidade dos estudantes do anexo de Piaçaveira, no distrito de Japu, a trinta quilômetros do centro de Ilhéus, chocou a todos. Milhares de ilheenses não conheciam aquela realidade, que nos parece coisa comum de se ver em algum brejão Brasil a dentro, desde que bem distante de nós.

Aquela realidade, exibida no Fantástico, da rede Globo, neste domingo (14), nos assusta e põe em xeque a sensibilidade dos gestores que por aqui passaram. Se a comunidade ilheense, em sua maioria, desconhece aquele cenário, é obrigação do poder público conhecê-lo. Conhecê-lo e, sobretudo, mudá-lo.

Não cabe aqui procurar culpados. Principalmente, porque já os conhecemos. Quantos governaram Ilhéus e negligenciaram a realidade de uma escola quase sem teto e sem paredes? Onde o banheiro é um buraco no chão, a água é levada de casa e a merenda é uma promessa antiga? Jabes Ribeiro, Newton Lima, Valderico Reis, Antonio Olímpio? Todos!

Se já conhecemos os culpados, conhecemos também quem pode, a partir de agora, mudar aquela realidade.

O ilheense concedeu ao atual prefeito, Mário Alexandre, uma vitória esmagadora nas urnas. E espera dele um trabalho à altura. Até agora, com quase cinco meses de governo, nada fez. Mas ainda pode. E pode começar por dar dignidade aos estudantes do anexo de Piaçaveira.

Seria uma forma de recomeçar sua gestão. Ir à escola, pedir desculpas em nome da comunidade ilheense às crianças. Providenciar um local seguro para realizar as aulas enquanto se constrói uma nova escola. Seria um gesto de grandeza e sensibilidade necessário nesse momento.

 

ÂNGELA SOUSA ALICIAVA PREFEITOS E INTERMEDIAVA PROPINA, AFIRMA DELATOR

Do Bocão News 

A deputada estadual Ângela Sousa (PSD) foi citada na delação premiada do empresário Kells Belarmino Mendes, principal líder do esquema de corrupção que consistia em fraudar licitações e desviar dinheiro público da educação em 19 cidades baianas. Mendes foi preso em julho de 2015, quando a Polícia Federal deflagrou a operação Águia de Haia para desarticular o grupo.

O BNews teve acesso ao trecho da delação premiada que o empresário fez junto ao Ministério Público Federal (MPF) e cita a participação da deputada. O acordo de colaboração foi homologado no final do ano passado pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1). A parlamentar foi delatada no bojo do inquérito policial instaurado para apurar a suposta prática de crime de fraude em licitação no município de Una, no sul baiano, na contratação da Ktech Key Technology LTDA, pertencente a Belarmino Mendes.

Ao MPF, o empresário apontado como líder do esquema contou que o contrato com a prefeitura de Una foi intermediado por Ângela Sousa e que não chegou, sequer, a se reunir com o então prefeito Dejair Birschner para tratar sobre os termos do contrato e muito menos sobre os eventuais pagamentos. “Todas as tratativas foram realizadas com a deputada Ângela”, disse.

O empresário relatou que esteve posteriormente em duas oportunidades com o prefeito Dejair: uma no gabinete da deputada e outra na casa do gestor em Una. De acordo com a delação premiada, o acerto para a realização da licitação e contratação da Ktech foi de que o empresário “teria que entregar 30% do valor de cada fatura quitada pela prefeitura para o prefeito” e “que a deputada estadual Ângela Sousa iria receber o equivalente a 5% do valor das faturas pagas pela prefeitura de Una”.

A participação da deputada estadual Ângela Sousa no esquema, segundo relatado por Kells Belarmino Mendes, relaciona-se à captação e aliciamento de prefeitos, participando, assim, do resultado do desvio dos recursos públicos em razão do sobrepreço e superfaturamento dessas contratações. “Não obstante o conhecimento da referida parlamentar acerca do esquema criminoso, ou seja, que a empresa de Kells Belarmino era contratada mediante fraude do certame licitatório, os elementos de prova não demonstraram a atuação específica da deputada na etapa de fraude ao procedimento licitatório que seria deflagrado pelo prefeito aliciado e que ficava sob responsabilidade dos integrantes da ORCRIM [Organização Criminosa] em conluio com o gestor municipal, o secretário de Educação e o pregoeiro/presidente a CPL”, diz um trecho de um despacho do desembargador Cândido Ribeiro, do TRF1, ao analisar o caso da deputada na Corte superior.

A deputada Ângela Sousa era responsável, de acordo com o delator, por aliciar o prefeito e “acordar” o valor que seria desviado para o prefeito e ela própria, em razão dessas contratações das empresas vinculadas a Kells Belarmino. Apesar das afirmativas do empresário em relação à parlamentar, o magistrado entendeu que Ângela, no caso específico de Una, não chegou a receber recursos desviados, pois o contrato foi cancelado antes de ser executado pela prefeitura. “Dessa forma, não restou comprovada a autoria do crime do art. 90 da Lei de Licitações por parte da deputada Ângela Sousa, razão pela qual este parquet promove arquivamento do feito em relação à parlamentar neste ponto, sem prejuízo do disposto no artigo 18 do CPP. Ressalto, por oportuno, que a atuação da parlamentar no município de Una, embora não tenha ensejado o desvio dos recursos públicos em razão do cancelamento do contrato, será objeto de investigação no âmbito do Inquérito Policial 628/2013, processo 0040451-77.2015.4.01.0000, que apura o crime de Organização Criminosa, Lei 2.850/2013”, explicou o desembargador Cândido Ribeiro ao acolher o parecer da procuradora regional da República de Ilhéus, Raquel Branquinho Nascimento.

Em abril deste ano, os advogados da parlamentar pessedista entraram com um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) pedindo que o inquérito em que é investigada fosse suspenso, mas a ministra Maria Thereza de Assis Moura rejeitou o pleito.

Procurada pela reportagem, a deputada refutou com veemência qualquer ligação com o grupo investigado na Águia de Haia. “Não tenho nada de envolvimento com isso. Eu não tinha nem prefeitos. A deputada aqui trabalha muito com associações, eu não tinha prefeito na época”, disse, rebatendo a afirmação de que seria responsável por aliciar prefeitos para a quadrilha administrada por Belarmino Mendes.

A legisladora também negou que tenha se reunido com o prefeito de Una, Dejair, e com o empresário, em seu gabinete: “Mentiroso. Isso nunca”. Como um dos preceitos para se fazer delação premiada é o de contar a verdade, a deputada acredita que “com certeza, vai cair” a colaboração do acusado por achar que ele mentiu.

Ângela Sousa afirmou ainda que recebeu com tranquilidade a notificação de que havia sido citada na delação premiada. “Tranquila, com paz no coração, quem não deve, não teme. Deus está agindo”, afirmou, instantes antes de interromper abruptamente a ligação.

Comentário do Blog

Apesar de ser delicada a situação da deputada, é claro o entendimento de que uma delação carece de provas pra ser considerada. 

ILHÉUS: GOVERNO MARÃO VAI PAGAR $369 MIL A ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA DE ALIADO

Por mês, escritório vai receber 30 mil reais

O prefeito de Ilhéus, Mario Alexandre, assinou contrato com o escritório de advocacia Harison Leite Advogados Associados para assessoria jurídica. O contrato, já publicado no Diário oficial do município, prevê um desembolso de R$369 mil por um ano de serviços.

A assessoria foi contratada mesmo o município possuindo uma procuradoria Geral, que conta em seu quadro com mais de 12 procuradores concursados, além de outros seis assessores jurídicos recentemente nomeados pelo próprio prefeito.

Como a lei permite dispensa de licitação pra esse tipo de serviço, o escritório contratado foi escolhido a dedo pelo prefeito. O que não surpreende ter optado pelo advogado Harison Leite, que foi procurador geral de Itabuna no governo do ex-prefeito Vane. Leite chegou a ser cotado pra ocupar a Procuradoria Geral de Ilhéus.

A indicação do advogado, à época, teve as bênçãos da deputada Ângela Sousa, aliada de Vane e mãe do prefeito de Ilhéus.

GOVERNO MARÃO DÁ NOVO NOME À AVENIDA CANDEIAS

Primeiro ele chamou de Av Belmonte

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, resolveu, de uma vez só e pela rede social facebook, renomear duas vezes uma rua do bairro Conquista que passa por recuperação asfáltica.

Na rede social, em seu perfil pessoal, o prefeito postou fotos vistoriando o serviço na Avenida Candeias, como evidenciam as fotos. Mas, na postagem, ele se referiu a rua como sendo a Avenida Uberlândia, que fica, na verdade, num outro extremo do bairro.

Depois rebatizou de 19 de março

Ai choveram críticas e a postagem foi editada. No entanto, a edição incorreu noutro erro. Em vez de se referir à Avenida Candeias e acabar com os equívocos duma vez, o texto passou a se referir à rua como 19 de março que, segundo o Google Maps, sequer existe naquela região.

JABES SOBRE O CÂNCER: “É UMA LUTA DURA”

Jabes.

O ex-prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro, está internado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, pra tratar um câncer na próstata. “É uma luta dura, já conclui o primeiro ciclo de quimioterapia”.

O tratamento causou, segundo o próprio Jabes, efeitos colaterais nos rins, que forçaram sua internação no hospital, onde está há mais de quinze dias. O problema, no entanto, já foi superado, permitindo o início da segunda fase do tratamento.

Em entrevista ao radialista Gil Gomes, Jabes agradeceu à solidariedade do ilheense, “inclusive de pessoas que têm outros posicionamentos políticos diferentes do meu”.

 

GOVERNO MARÃO VAI PAGAR MAIS DE R$ 500 MIL POR ALUGUÉIS DE IMÓVEIS

Marão foge de falar sobre IPTU.

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, assinou contratos de dispensa de licitação que somam mais de 520 mil reais com pessoas físicas e jurídicas para aluguel de imóveis. Os documentos foram publicados no diário oficial desta quinta-feira, dia 16, e são retroativos a janeiro.

Chama a atenção a presença, no rol de favorecidos, da Igreja Assembléia de Deus, que vai receber R$ 25.356,00 do poder público. A congregação, ironicamente ou não, tem entre seus ilustres irmãos a deputada estadual Ângela Sousa, mãe do prefeito.

Outro imóvel que terá o aluguel pago pelo contribuinte foi locado de Maria Natália Alves Nogueira, no valor de R$ 146.484,00. Por mês, o custo da locação será de 12.207 reais. O diário oficial, no entanto, não especifica qual a finalidade do aluguel.

LUKAS PAIVA SE SOLIDARIZA COM JABES

Paiva.

O presidente da câmara de Ilhéus, Lukas Paiva, se solidarizou, nesta quarta, dia 15, com o ex-prefeito Jabes Ribeiro. Adversário político de Ribeiro, Paiva declarou que espera a plena recuperação do ex-gestor, que anunciou na última semana o início de tratamento contra câncer de próstata.

Paiva afirmou ainda que a política deve ficar à parte quando questões de saúde, mesmo de adversários, estão em jogo.

A postura do presidente da câmara contrasta com a do prefeito Mário Alexandre, que não se manifestou sobre o problema de saúde de Jabes.

MARÃO NÃO VAI MEXER NO IPTU

Marão foge de falar sobre IPTU.

O prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, veio a público, como se diz no popular, “tirar o corpo fora” quanto a uma possível revisão imediata no reajuste dos valores do IPTU. Durante a campanha de 2016, Marão fez duras críticas ao aumento, implementado no governo do ex-prefeito Jabes Ribeiro.

Em release, Marão afirma que está impossibilitado de alterar a lei que revisou os valores do IPTU e se comprometeu a discutir o assunto na câmara. Mas não disse quando vai levar a cabo a medida.

Num cenário de severa crise econômica, que afeta diretamente os repasses do governo federal para os municípios, as receitas próprias, como o IPTU, se tornam o fiel da balança para manter a máquina administrativa funcionando. E Marão sabe disso.

Em conversas com o ex-prefeito Jabes Ribeiro, no fim do ano passado, Marão pediu que Ribeiro não propusesse uma redução do reajuste do IPTU, como ele pretendia fazer, pois impactaria na arrecadação de 2017. Jabes atendeu ao pedido e, agora, o novo prefeito vai empurrar a revisão do código tributário.

ILHÉUS: CÂMARA NOMEIA FOTÓGRAFO DE MARÃO

Nomeado na câmara, pelo presidente Lukas Paiva.

Causou estranheza a um leitor, que afirma ser estudante de direito da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), o fato de o fotógrafo oficial do prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, Clodoaldo Ribeiro, ter sido nomeado para um cargo no município e outro na Câmara de Vereadores.

As duas funções são enquadradas como cargo em comissão. A legislação prevê que o exercício em postos desse tipo se dê em período integral, tendo o nomeado que estar à disposição do órgão o tempo todo ou quando houver necessidade.

Nomeado na Prefeitura por Marão.

Daí, conclui o estudante, que prefere não se identificar, é impossível que uma pessoa consiga ocupar dois cargos em comissão ao mesmo tempo. “E se os dois órgãos em que é nomeado precisarem dele no mesmo período, como fica? Se for processado, o nomeado pode, inclusive, ter de devolver salários já recebidos”.

Aí fica a pergunta no ar.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia