Violência contra a mulher.

Atos de agressão, ameaças, insultos e até assassinatos e atentados têm se tornado cada vez mais comuns em Ilhéus.  A Violência contra a Mulher, que vinha sendo tratado com muito atraso pelo poder público, esteve ainda mais em evidência durante a pandemia, com o aumento dos casos de violência durante a quarentena. Em tempos de eleição, nenhum candidato vêm abordando esse tema de total relevância ou apresentado projeto para o combate desta triste realidade.

Recentemente, um caso que tomou grande proporção nacional foi à cena de um homem que foi flagrado em vídeo agredindo uma mulher com vários socos no rosto em Ilhéus. O suspeito teve a prisão preventiva decretada na noite de quinta-feira, 15 de outubro, e está foragido desde o dia 16, quando a polícia fez buscas em endereços ligados a ele, mas não o encontrou. Sabemos que existe a real e extrema necessidade de se abordar esse tema pelos atuais candidatos.

Conforme levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o percentual de feminicídios no Brasil aumentou 22,2% nos meses de março e abril de 2020, em relação ao mesmo período de 2019.  Nos primeiros seis meses de 2020, 1.890 mulheres foram mortas de forma violenta, boa parte em plena pandemia do novo coronavírus. Segundo o levantamento, 631 desses crimes foram de ódio motivados pela condição de gênero, ou seja, feminicídio.