Do Agravo

Política.

Ninguém imaginaria que a convergência da base do governador Rui Costa (PT) em Ilhéus seria fácil, mas a situação virou enredo, com drama e mancomunação dignos de novela mexicana.

Na última semana, o governador esteve em Ilhéus para a inauguração de uma obra na zona Sul, e de lá, para a surpresa dos aliados, foi almoçar e discutir as arrumações da base na casa do prefeito Marão. A tal reunião desagradou em cheio aliados do governador, e, principalmente, a cúpula do Partido Progressista (PP) em Ilhéus, encabeçada pelo ex-prefeito e secretário geral do PP na Bahia, Jabes Ribeiro.

Segundo informações de fontes fidedignas, o celular do ex-governador e senador Jaques Wagner não parou de tocar. Aliados ligaram se queixando da posição do governador Rui Costa em Ilhéus. Um desses aliados foi Jabes Ribeiro, que luta para fortalecer a pré-candidatura do seu pupilo Cacá Colchões, na oposição ao atual prefeito Mário Alexandre.

Nesta semana, o caldeirão político ferveu tanto em Ilhéus, como em Salvador. O PP, por intermédio do secretário estadual do partido, Jabes Ribeiro, articulou junto a Wagner e ao próprio Governador Rui Costa, o que foi suficiente para que todo desenho das composições fosse refeito em Ilhéus.

Nesta quarta-feira (09), o PT que era dado como certo na chapa do atual prefeito Mário Alexandre, fechou na majoritária com o PP, e vai indicar o vice de Cacá Colchões.

Quem será o vice? Aí é outra confusão, agora dentro do PT de Ilhéus.

O Blog Agravo apurou que na noite da quarta-feira (9), depois da notícia da composição PP e PT, o pré-candidato do PT, Nilton Cruz reuniu seu grupo político para decidir os rumos de sua pré-candidatura. Mas sem a presença dos caciques do PT ilheense, diga-se do presidente Ednei Mendonça. A situação gerou ruídos.

Ouvimos de uma liderança do PT, fortes críticas ao comportamento de Nilton Cruz, afirmando que o pré-candidato não tem voz dentro do partido para decidir o caminho que a legenda vai seguir. O clima está pesado dentro do partido de Lulinha!

“Quem vai indicar o vice é quem tem voto no diretório, que é do grupo do deputado Josias Gomes”, salientou uma fonte do Blog Agravo.

Conversamos na manhã desta quinta-feira (10), com o pré-candidato a prefeito do PP, Cacá Colchões, que confirmou a aliança. Ao ser questionado sobre a indicação do vice, explicitou: “Agora é com o PT. Cabe somente ao PT”.

Por outro lado, a da conjuntura do prefeito Marão, o movimento de ida do PT para o PP é comemorado por muitos correligionários e integrantes do grupo político. O sentimento é de que a chegada do PT traria uma enorme rejeição para a reeleição de Mário Alexandre, e que a sigla – já que os principais nomes, a exemplo de Enilda Mendonça, Makrisi, Augustão, entre outros – não iriam com Marão.

No entanto, o prefeito Mário Alexandre não entende dessa forma e vem tentando reverter a situação da aliança do PT com o PP, de olho no apoio explícito do governador Rui Costa à sua reeleição. O Blog Agravou ouviu de uma figura muito próxima ao senador Wagner, que é quase impossível que o prefeito consiga desfazer essa aliança do PT e PP.

O Partido Socialista Brasileiro (PSB), do ex-deputado e suplente de senador, Bebeto Galvão, e de três vereadores do legislativo ilheense, deve indicar o vice de Marão. Nomes da linha de frente do PSB não agradam ao grupo do Partido Social Democrático (PSD), que busca na lista de filiados alguém ligado ao prefeito, que seria o advogado e ex-vereador Marcos Flávio.

Outro partido que fez parte de toda essa celeuma, foi o Partido Social Liberal (PSL), mas apenas como expectador. Um membro da direção municipal, confessou que caso o PT entrasse na majoritária do prefeito, sairia da base. Agora com essa ida do PT para o PP, o PSL sonha em indicar Rúbia Carvalho para a vice de Marão.

Como se pode ver, a novela está nos últimos episódios, mas sem uma decisão final. Toda essa celeuma só será equacionada no último dia das convenções municipais.

Vamos aguardar.