Do Pimenta

Bahia, Guilhardes, Alessandro e Marinho disputam a reitoria da Uesc

Quatro chapas vão concorrer aos cargos de reitor e vice da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), após homologação na manhã desta terça-feira (29) pela Comissão Eleitoral. Também foi definido o número de cada uma das chapas concorrentes.

A Chapa 1 será formada por Alessandro Santana para reitor e Maurício Moreau a vice. A Chapa 2 terá Cristiano Bahia como candidato a reitor e George Albuquerque na vice. O professor Guilhardes Júnior, como candidato a reitor e Agna Menezes como vice formam a Chapa 3. Pedro Marinho e Ronan Corrêa são candidatos a reitor e vice, respectivamente, pela Chapa 4.

A campanha eleitoral no campus da Uesc começará na próxima segunda (4) e vai até o dia 22. O colegiado eleitoral escolherá reitor e vice no dia 26 de novembro, quando haverá a apuração e divulgação do resultado. Com R$ 279 milhões para 2019, a Uesc possui o terceiro maior orçamento público do sul da Bahia, perdendo apenas para as prefeituras de Itabuna e de Ilhéus.

O processo eleitoral é coordenado por uma Comissão escolhida pelo Conselho Universitário (Consu) e nomeada por seu presidente e reitor da Uesc, Evandro Sena Freire, formada por representantes dos docentes: Luiz Antônio dos Santos Bezerra, Lilia Marta Brandão Soussa Modesto e Francisco Mendes Costa, titulares. Os docentes escolhidos para suplentes são Marcelo Ossamu Honda, Rosenaide Pereira dos Reis Ramos e Fernando José Reis de Oliveira.

Os representantes dos Servidores Técnico-Administrativos serão titular, Marciene Aparecida Fernandes Die Deriche e suplente, Evany Cavalcante de Souza Rocha. Representando os discentes, na condição de titular João Lins Costa Sobrinho e suplente Lueny de Souza Rodrigues.

O colégio eleitoral da Universidade Estadual de Santa Cruz é composto pelos corpos docente, discente e técnico-administrativo e seus votos têm peso igual de um terço, cada. Poderão votar os estudantes, professores substitutos, visitantes e técnico-administrativos, incluindo os em Regime Especial de Direito Administrativo, desde que comprovada vigência de seus contratos pela Gerência de Recursos Humanos. São impedidos de votar os servidores técnico-administrativos em cargos comissionados com menos de cinco anos de exercício na UESC.