Prefeito de Ilhéus, Marão.

O Tribunal Superior de Justiça (STJ), em Brasília, não reconheceu o pedido feito pela Procuradoria Jurídica da Prefeitura de Ilhéus objetivando suspender a decisão da desembargadora Sílvia Zarif, do Tribunal de Justiça da Bahia que determina a imediata reintegração dos demitidos aos seus cargos. A informação foi divulgada com exclusividade pelo site Jornal Bahia Online.

Segundo O Tabuleiro, esta foi a terceira decisão favorável aos demitidos. Antes do posicionamento do STJ, o presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Gesivaldo Britto, já havia se posicionado favorável aos demitidos e determinado que o juiz Alex Venícius suspendesse a sua decisão que resultou na demissão de mais de 300 servidores.

Comentário do blog

Mário Alexandre nunca foi um bom médico. Quando foi vice-prefeito de Newton Lima, passou quatro anos no ostracismo. Se limitava a tentar emplacar amigos em cargos com bons salários.

Apostar que seria um bom prefeito foi pagar pra ver e ver algo que não deu certo.

Nessa seara da demissão dos não estáveis, Marão, por puro desleixo ou falta de bons conselheiros, resolveu acatar uma decisão de primeira instância. Decisão frágil, que poderia ser revista a qualquer instante.

Junto com a demissão dos quase 500 servidores, veio a ordem para dar posse aos aprovados no concurso de 2016. Foi o combo da loucura.

Servidores concursados raramente são demitidos. Com a reintegração dos que foram colocados na rua por Marão, haverá dois funcionários pra um cargo e um gasto a mais para os cofres municipais.

Agora, como era previsto até pelos observadores menos atentos, a decisão que mandava demitir não estáveis com mais de 30 anos de serviço e nomear concursados, foi suspensa.

Só um prefeito desleixado, sem rumo, com péssimos conselheiros, seria capaz de acatar uma decisão de primeira instância que afetaria a vida de mais de 500 pessoas, além das contas públicas.