WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia faculdade de ilheus embasa


abril 2019
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  


:: 17/abr/2019 . 14:09

PONTE DO PONTAL – A ESPERANÇA CONTINUA

Por José Rezende Mendonça, ex-funcionário da Ceplac, memorialista e morador do Pontal

Foto de José Rezende.

Assim estava o acesso sul da Ponte Pontal/Centro, em 14 de abril de 2019. A cada instante surge uma nova esperança envolvida com a certeza, que finalmente teremos a segunda ponte, que irá em muito melhorar a mobilidade urbana, zona sul/centro/zona norte. Claro que, isto não resolve todo o problema da cidade neste aspecto, mas uma ponte tinha que sair primeiro.

A terceira irá acontecer e não tem outro jeito, assim que sair do papel a duplicação da Rodovia BR-415, hoje batizada de Rodovia Jorge Amado, que une Ilhéus e Itabuna. Com esta duplicação, nas proximidades do Banco da Vitória, terá um anel rodoviário, que vai melhorar e muito, os fluxos dos carros pelo centro da cidade de Ilhéus, pois este novo acesso, ligará o Banco da Vitória até as proximidades do local Cururupe, na BA-001 e para zona norte nas proximidades do bairro São José, na BA-260, que liga Ilhéus a Uruçuca.

Imaginemos que fosse o contrário, como muitos pensaram e pensam até hoje. Se a segunda ponte acontecesse nas mediações do Banco da Vitória, todos da zona sul, que quisessem fugir do engarrafamento da atual ponte e centro da cidade, teriam que ir ao Cururupe e depois seguir para o Banco da Vitória, e retornar para o centro da cidade, e assim vice e versa. Seriam conversam pra muitos anos, pois esta opção só atenderia de imediato, quem viesse de Olivença, e fosse para Itabuna e Uruçuca. Da mesma forma, para quem viesse de Itabuna para Olivença, Una e Canavieiras.

Mas, isto é assunto ainda pra muitas conversas em mesas de bar, plenário da Câmara de Vereadores, ONGs, e lero-lero em épocas de eleições, que vão ocorrer em 2020.

AO ACATAR ORDEM JUDICIAL DE 1ª INSTÂNCIA, MARÃO MOSTRA COMO NÃO SER PREFEITO

Prefeito de Ilhéus, Marão.

O Tribunal Superior de Justiça (STJ), em Brasília, não reconheceu o pedido feito pela Procuradoria Jurídica da Prefeitura de Ilhéus objetivando suspender a decisão da desembargadora Sílvia Zarif, do Tribunal de Justiça da Bahia que determina a imediata reintegração dos demitidos aos seus cargos. A informação foi divulgada com exclusividade pelo site Jornal Bahia Online.

Segundo O Tabuleiro, esta foi a terceira decisão favorável aos demitidos. Antes do posicionamento do STJ, o presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Gesivaldo Britto, já havia se posicionado favorável aos demitidos e determinado que o juiz Alex Venícius suspendesse a sua decisão que resultou na demissão de mais de 300 servidores.

Comentário do blog

Mário Alexandre nunca foi um bom médico. Quando foi vice-prefeito de Newton Lima, passou quatro anos no ostracismo. Se limitava a tentar emplacar amigos em cargos com bons salários.

Apostar que seria um bom prefeito foi pagar pra ver e ver algo que não deu certo.

Nessa seara da demissão dos não estáveis, Marão, por puro desleixo ou falta de bons conselheiros, resolveu acatar uma decisão de primeira instância. Decisão frágil, que poderia ser revista a qualquer instante.

Junto com a demissão dos quase 500 servidores, veio a ordem para dar posse aos aprovados no concurso de 2016. Foi o combo da loucura.

Servidores concursados raramente são demitidos. Com a reintegração dos que foram colocados na rua por Marão, haverá dois funcionários pra um cargo e um gasto a mais para os cofres municipais.

Agora, como era previsto até pelos observadores menos atentos, a decisão que mandava demitir não estáveis com mais de 30 anos de serviço e nomear concursados, foi suspensa.

Só um prefeito desleixado, sem rumo, com péssimos conselheiros, seria capaz de acatar uma decisão de primeira instância que afetaria a vida de mais de 500 pessoas, além das contas públicas. 

MAGNO LAVIGNE É REELEITO PRESIDENTE DA UGT/BAHIA

Do Tabuleiro

Lavigne.

Magno Lavigne foi reconduzido à presidência da União Geral dos Trabalhadores no Estado da Bahia (UGT/BA). A eleição aconteceu durante a realização do 4º Congresso da entidade, que aconteceu no Centro Cultural da Câmara Municipal de Salvado.

“É uma honra presidir esta entidade e ver o quanto os companheiros e companheiras, que ajudam a construir uma UGT/BA cada vez mais forte, confiam no trabalho que eu desenvolvo, juntamente com a diretoria e os funcionários que fazem esta central ser o que é”, disse Magno.

O Sindicalista ressaltou que o momento é de luta para enfrentar e vencer os ataques que o movimento sindical vem sofrendo. “Precisamos nos unir para encarar e superar os desafios que a reforma trabalhista nos impôs, além disso, é preciso compreender o período que vivemos para permanecermos com um sindicalismo atuante em defesa da classe trabalhadora”.

Ricardo Patah, presidente nacional da UGT participou do Congresso e parabenizou a eleição de Magno, ressaltando a sua atuação e empenho no processo de crescimento da central na Bahia. “O companheiro Magno é uma liderança sindical que desenvolve um importante trabalho no Estado, refletida na sua recondução a presidência da UGT/BA. Parabéns!”.

HOMEM APONTADO POR EXECUTAR ÍNDIO COM 13 TIROS EM ILHÉUS DENUNCIADO PELO MPF

Do Tabuleiro

A vítima.

O homem suspeito de ter matado um indígena em uma emboscada, há quase quatro anos, em Ilhéus, foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) na última sexta-feira (12).

De acordo com o órgão federal, Edivan Moreira da Silva, conhecido como “Van de Moreira”, é acusado de homicídio consumado e homicídio tentado, ambos qualificados pela emboscada, o que dificulta ou impossibilita a defesa da vítima.

Segundo a denúncia, Edivan é o principal responsável por executar com 13 tiros o indígena Adenilson Silva Nascimento, conhecido como Pinduca, e por ferir com dois tiros a esposa da vítima, Zenaildes Menezes Ferreira, em 1º de maio de 2015, em Ilhéus, na zona rural limítrofe com Buerarema, também no sul da Bahia. Além dele, segundo o MPF, participaram do crime duas outras pessoas que não foram identificadas.

As investigações apontaram que o crime foi motivado por desavenças entre Edvan e Adenilson, em razão de disputas por terras. Não há detalhes se Edivan está preso ou se foi levado à prisão em algum momento desde o dia do crime.

Caso

De acordo com o MPF, no inquérito policial consta que, no dia do crime, Adenilson Pinduca e Zenaildes Ferreira voltavam para casa a pé, no sul da Bahia. Eles seguiam junto aos três filhos, entre eles a mais nova, de 1 ano de idade, levada no colo pela mãe.

Durante a caminhada, Adenilson foi surpreendido por um disparo de arma de fogo, caindo de joelhos. Diante da situação, os dois filhos mais velhos do casal correram e Zenaildes retornou para tentar levantar o marido, mas não conseguiu. Ao se virar para tentar fugir, com sua filha no colo, Zenaildes foi atingida por um tiro na perna direita, o que a fez cair por cima da criança.

Já no chão, Zenaildes ainda foi atingida por outro tiro nas costas. O projétil atravessou o tórax e se alojado no braço. Ela, então, permaneceu no chão, se fingindo de morta. A mulher ainda viu o marido se levantar e caminhar em sua direção, lentamente, enquanto outros tiros eram desferidos contra ele, até que caísse próximo a ela.

Em seguida, Edivan Moreira se aproximou de Adenilson e voltou a disparar contra ele à queima-roupa, quatro ou cinco vezes. Durante o crime, Zenaildes observou que três pessoas encapuzadas participavam do crime. Ela reconheceu Edivan Moreira como um deles, devido ao porte físico do homem.

Ainda de acordo com o MPF, em manifestações populares contra os indígenas da etnia Tupinambá de Olivença, realizadas em Buerarema em 2013, Edivan, que mora na mesma cidade, teria ameaçado Adenilson.

O acusado teria mandado um recado por terceiros, avisando que caso Adenilson fosse à Buerarema, iria apanhar. A inimizade aumentou após o indígena ter sido responsável pela retomada de uma fazenda, de nome Boa Esperança, causando a expulsão do antigo agricultor que trabalhava na terra (que não era dele), amigo de Edivan, e sogro do irmão dele. A partir daí, conforme testemunhas ouvidas, as ameaças passaram a ser de morte.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia