Do Pimenta

Lançamento.

O cronista e advogado (professor de Direito Constitucional da então FESPI, embrião da Universidade Estadual de Santa Cruz) Manoel Lins terá o livro O canto da eterna esperançalançado no dia 13 de julho, às 16h30min., na Pousada Eden One, em Ilhéus,pela Editus/Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz.

Organizado pelo jornalista Antônio Lopes, o livro reúne dados biográficos e textos produzidos por Manoel Lins (que também foi vice-presidente da OAB/Itabuna), além de apropriada iconografia, numa edição luxuosa, 384 páginas, em papel especial.

Manoel Lins, nascido em Palmeira dos Índios, Alagoas, veio morar em Buerarema ainda criança e, mais tarde, desenvolveu profícua carreira de jornalista, cronista e advogado. Divulgou seus textos, principalmente, no jornal SB – Informações e Negócios e na revista Desfile, chegando a publicar um livro, Menino aluado, em 1967.

Lins morreu prematuramente, em 1975 (aos 38 anos), quando, em Santo Amaro, numa passagem de nível, seu carro se chocou contra uma locomotiva.

Para a professora Rita Virgínia Argollo, diretora da Editus, O canto da eterna esperança é a oportunidade de retomar a produção literária de um dos melhores cronistas que a região já viu. De acordo com o pesquisador e organizador do trabalho, Lins, seu amigo de Buerarema, foi uma espécie de “pai” da crônica regional, considerando que Fernando Leite Mendes, com temática ligada a Ilhéus, pouco viveu aqui. “Mais tarde, esse gênero teria no Sul da Bahia nomes notáveis, como Cyro de Mattos e Armando Oliveira, com destaque para Hélio Pólvora, que publicou cerca de 300 crônicas”, afirma Antônio Lopes.

happy hour de lançamento terá ainda um bate-papo com o organizador e outros intelectuais, sob o título geral de “Ternura e resistência em ásperos tempos”, coordenada pelo jornalista Ramiro Aquino.