Samu fechado. Foto Ilhéus em Resumo

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Ilhéus amanheceu nesta sexta, 6, desse jeito. Com faixa na porta e somente 30% do já escasso efetivo trabalhando. A paralisação dos trabalhadores é contra o sucateamento do órgão, que presta assistência a mais de 150 mil pessoas, mas só tem uma ambulância em funcionamento.

O ILHÉUS EM RESUMO denuncia há meses os problemas do Samu (lembre aqui e aqui). De acordo com o documento feito pelo sindicato, o SAMU enfrente problemas como ambulâncias sem funcionar, viaturas amarradas de ataduras, carros sem freio, com pneus carecas; algumas passaram um bom período sem oxigênio, e o material básico para aferição de sinais vitais é inexistente.

Ainda segundo o relatório, para sair da base, os funcionários colocam os materiais de uma viatura em outra para poder atender a população, o que leva tempo. Eles reclamam do não pagamento da maioria das insalubridades, falta de mais fardamentos, epis, e falta de água.

Eles informam que a atual gestão tem ciência dos fatos e inúmeros ofícios e pedido de resolução do problema foram enviados ao prefeito Mário Alexandre. Redação com informações do Agravo.