Editorial

Órgão precisa agir pra interromper a escalada de acidentes

A Superintendência de Trânsito (Sutran) de Ilhéus precisa tomar duas medidas necessárias pra cidade: a primeira é tomar pra si a responsabilidade pelo combate ao transporte clandestino, que, como o próprio nome já dá a entender, não pode ser praticado; o segundo ponto diz respeito a uma fiscalização rígida quanto aos motociclistas, que provocaram 4 acidentes nos últimos quinze dias, gerando 3 mortes.
Há dois dias, o Detran realizou blitz pra inibir a circulação de lotações. No entanto, esse tipo de trabalho cabe unicamente ao órgão municipal de trânsito. A Sutran, desde que o novo governo foi iniciado, nunca investiu contra o transporte clandestino, mesmo o serviço representando perdas a todos, principalmente quanto à arrecadação de impostos, já que diminui o faturamento das empresas e pode gerar também corte de postos de trabalho.
Provavelmente, o prefeito tenta evitar desgaste com esse grupo. Há de se compreender, no entanto, que o exercício do poder exige tomar decisões que nem sempre agradam a gregos e troianos.

Motos

Quanto às motocicletas, a fiscalização deveria ser mais rígida. É comum pilotar moto sem a devida habilitação. Exames oftalmológicos e psicológicos são necessários pra determinar se uma pessoa está apta a utilizar um veículo que se demonstra letal a cada novo acidente.

A suspensão das blitzes não é uma medida salutar, embora agrade a muitos. No geral, porém, quem perde é a sociedade na medida em que os acidentes se multiplicam provavelmente causados por motoristas não habilitados.

A fase de conscientização já passou.. Todos conhecem os riscos e as boas práticas que garantem um trânsito seguro. Aumentar a fiscalização nesse sentido permitirá retirar das ruas aqueles que não possuem condições e não têm a mínima responsabilidade com a vida própria, muito menos a dos outros.