Ciranda do livro.

Em 2016, o Instituto Pró-Livro fez uma pesquisa entre 5 mil pessoas a fim de mapear os hábitos de leitura da população brasileira. O resultado é que 56% das pessoas afirmavam ler, pelo menos, um livro nos últimos três meses. A Bíblia foi apontada como a obra literária mais lida, sendo citada por 42% dos entrevistados. Entre os voluntários, 28% declararam que não gostavam de ler. E um estudo recente do instituto britânico NOP World Culture Score Index classificou o Brasil na 27ª posição no ranking de leitura entre 30 países.

As explicações dadas para a falta de hábito da leitura são diversas, mas a vencedora é a falta de tempo. Essa pouca ou ausência de familiaridade com a literatura é refletida no levantamento feito pelo Instituto Paulo Montenegro e a ONG Ação Educativa. Em pesquisa realizada no ano de 2015, foi constatado que um em cada quatro brasileiros é considerado analfabeto funcional. Apenas 8% são capazes de compreender textos simples e se expressar plenamente. Foram entrevistadas 2.002 pessoas entre 15 e 64 anos das zonas urbana e rural de todas as regiões do Brasil.

Na contramão dessas estatísticas, a Escola e Brinquedoteca A Casa Amarela, em Ilhéus, deu início a mais uma atividade de estímulo ao prazer literário, a “Maratona de Leitura”. A iniciativa voltada para os estudantes do 2º ano do Ensino Fundamental propõe momentos diários de leitura com participação da família. Cada obra lida é registrada em um calendário que, ao final do mês, as crianças irão compartilhar na sala de aula e falar a respeito de suas experiências.

De acordo com a diretora pedagógica da Casa Amarela, Sara Lemos, a “Maratona de Leitura” não foi criada para ser uma competição ou algo enfadonho. “Nossa ideia é motivar os estudantes e suas famílias a terem um momento diário de leitura conjunta. A intenção é que seja um ato de lazer que faça parte da rotina, assim como a televisão, a internet e jogos eletrônicos”, explicou. Entre as opções de gêneros textuais propostas pela “Maratona da Leitura” estão: conto, fábula, piada, gibi, receita, trava-língua, bíblica, notícia e poesia.

Além da “Maratona de Leitura”, a Casa Amarela desenvolve a atividade da “Ciranda do Livro”. Todos os estudantes, desde o Grupo 01(composto por bebês de 1 ano), levam para casa um livro na sexta-feira e, na terça-feira da semana seguinte, há um sorteio em sala para que um dos integrantes da turma fale a respeito da obra que foi lida. Assim, os pequenos leem e também são estimulados a expressar o que compreenderam.

Para a diretora pedagógica da Casa Amarela, o incentivo à leitura fora do ambiente escolar é essencial para o fortalecimento do pensamento crítico-reflexivo das crianças. “Queremos que eles percebam os diferentes elementos dos textos e discutam o que foi lido. A intenção é despertar um prazer que seja mais do que um hábito”, complementa a pedagoga Sara Lemos.