Do Blog do Gusmão 

Promotores de Justiça Frank Ferrari e Luciano Taques. Imagens: Thiago Dias/Blog do Gusmão e Chico Andrade.

Ontem (21), na entrevista coletiva sobre a Operação Citrus, o radialista Vila Nova perguntou se as mesmas empresas acusadas de fraudar licitações da prefeitura teriam repetido o esquema na Câmara de Vereadores de Ilhéus.
“As mesmas empresas. Elas, a partir de 2013, passaram a também fornecer bens, nesse mesmo ramo (de material de expediente), para a Câmara de Vereadores. Desde então essas empresas têm vencido contratos”, respondeu o promotor Frank Monteiro Ferrari, titular da 8ª Promotoria de Justiça de Ilhéus. A resposta enfatizou o ano de 2013.
O vereador Tarcísio Paixão (PP) falou sobre a Citrus nessa terça-feira (21). O correligionário do ex-prefeito Jabes Ribeiro presidiu a Câmara entre 2015 e 2016. O ex-vereador Dr. Jó (Josevaldo Machado – PC do B) o antecedeu no cargo, mas ainda não se pronunciou publicamente sobre a operação.
Referindo-se ao período em que comandou o Legislativo, Tarcísio disse que todas as empresas “foram contratadas por meio de processo licitatório, dentro da legalidade, cumprindo todo rito que a lei manda”, informa o Blog Agravo.
Após a apreensão de documentos na Câmara, o atual presidente da Casa, Lukas Paiva (PSB), emitiu nota. O texto diz que a Citrus “nada tem a ver com sua gestão”, que começou em 2017 – lembre aqui.